segunda-feira, 27 de outubro de 2008

Diversidade nas empresas...

Diversidade a Palavra do Momento.

Para entendermos um pouco melhor o sentindo literal desta palavra, antes de dissertar sobre o
tema, eu busquei no dicionário Michaelis, o significado:

diversidade
di.ver.si.da.desf (lat diversitate)
1 Qualidade daquele ou daquilo que é diverso. 2 Diferença, des­semelhança: Diversidade de interpretações. 3 Variedade: Diversidade de dons. 4 Contradição, oposição. Antôn (acepção 2): unidade; (acepção 4): harmonia.

Com as mesmices que nós temos visto no mercado em geral, a falta de inovação, de talentos que façam a diferença, de copiar da cópia, talvez a saída para as empresas consideradas “engessadas” e conservadoras, seja abrir os olhos para a Diversidade.

Reunir pessoas diferentes, com certeza é o bem mais valioso que uma empresa pode aspirar. Diversas idéias, percepções, sentidos, experiências para serem compartilhadas e tudo que você possa imaginar vem, quando se consegue diversificar.

A cultura dos envolvidos neste processo de harmonia entre pessoas com formações diferentes, religiões variadas, entre outros detalhes, com certeza irá formar profissionais com mente muito mais aberta, muito mais propensos para ouvir e ver. Este processo vai forçar o entendimento por parte da empresa, que existem muitos públicos no ponto de venda, com necessidades diferentes, querendo ser seduzidos de maneiras próprias.

A empresa será o seu próprio laboratório.

O líder deste grupo diverso tem que ser um guia, uma espécie de mediador dos choques que possam vir a ocorrer. Este líder tem que conhecer profundamente as culturas, religiões e formações dos envolvidos, para que seja respeitada, cada opinião emitida.

Infelizmente na maioria das empresas, o entrevistador do RH, ou o Headhunter querem o mesmo de um profissional na hora da escolha. Eles querem que o cara chegue de terno azul marinho, camisa branca, gravata de seda, quer que conte um monte de lenda, seja simpático, use palavras de impacto, fale línguas estrangeiras, que tenha atuado em multinacionais, que o cabelo seja penteado assim ou assado... o enredo todos nós conhecemos bem.

Agora pergunto:

- Por que raios, o cara que chega para uma seleção de cabelo arrepiado, com um terno amarelo em uma multinacional, não pode ter mais talento que o “mauricinho” bem criado de terno azul?

Para as empresas engessadas, o que falta é coragem de arriscar, por isso não inovam, não querem sair da zona de conforto.

Enquanto isso não muda, eu indico que continuem lendo nosso blog, que é escrito por pessoas bem diferentes como: um cara alto, baixo, loiro, moreno, japonês, advogado, profissional de marketing, de cinema, de publicidade e propaganda, tem santista, são-paulino, e por aí vai. Mas mesmo com todas estas diferenças, no final da história nós sempre nos entendemos e você também nos entende é claro. Ou não?

2 comentários:

Flávio Maneira disse...

Reinaldo, Parabéns pelo excelente texto e de fato...falta inovação e isso tem que partir de alguém !!! que sejam nossos leitores !!! Rumo a Inovação !!! a forma mais genuína que gera sustentabilidade no novo mundo.

Bruno Amaral de Oliveira Rodrigues disse...

Fato velho. É impressionante como algumas empresas não vêem que o bonde está andando, os tempos são outros e seu faturamento/imagem iriam melhorar consideravelmente se mudassem de postura.

Abraços cara...