sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009

A GERAÇÂO Y.



Não tem como mais passar despercebido pela Geração Y.

Por definição, essa geração é formada, por jovens nascidos entre 1978 e 1980 até o fim da década de 90, que hoje invadiram o mercado de trabalho e estão conquistando seu lugar ao Sol.

Muitos dessa nova geração, já começam a ter sucesso, que vem sendo conquistado com uma nova postural empresarial.

Esta nova “galera” quer trabalhar, mas não quer que o trabalho seja sua vida. Nós (eu me incluo neste perfil) não aceitamos lideranças impostas como antigamente, e sim liderança conquistada.

Os jovens dessa geração, conseguem trabalhar ouvindo Ipod, usando MSN, acessando o Orkut, Flickr, MySpace e por ai vai. Pena que muitas empresas, ainda não se tocaram para este simples detalhe, e preferem bloquear os acessos e limitando seus profissionais.

A nossa Geração Y aceita e se da bem trabalhando com pessoas mais velhas. Acreditamos e respeitamos a sua conquista, que foi a experiência, mas temos novos modos de trabalhar, não usamos tanta cerimônia, não puxamos o saco de ninguém, somos diretos quando queremos algo e temos as nossas necessidades. Ah pulamos fora o mais breve possível, quando percebemos que a empresa esta sugando até nossa última gota de suor e não nos dá nada em troca, não nos retribui ou não tenha plano de carreira.

A Geração Y responde muito menos aos tipos de comandos e controles tradicionais de gerenciamento ainda populares. É a maioria da força de trabalho de hoje, diz Jordan Kaplan, um professor associado à ciência de gerenciamento na Universidade de Lond Island, Brooklin, Nova York. Eles cresceram questionando seus pais e agora estão questionando seus empregadores. Eles não sabem se calar, o que é ótimo, mas isto é um agravante para o gerente de 50 anos quando diz, - “Não faça isto não faça aquilo”.

Ficar mais que dois anos na mesma empresa, sem perspectiva, é coisa do passado. Hoje o barato desses profissionais é conhecer o maior número possível de empresas, e entender o máximo de negócios diferenciados. Eles querem trabalhar com vendas, marketing, atendimento ao cliente e terminar com auditoria.

Os líderes mais experientes costumam usar o maior número possível de adjetivos para classificar este pessoal, tais como: ansiedade, impaciência, infidelidade corporativa, arrogância, egoísmo e etc.

Mas na verdade o que estes empregadores buscam, é uma maneira de segurar estes talentos, que cada dia mais questiona as grandes e engessadas corporações e tem como sonho de consumo, abrir o próprio negócio e ser dono de si mesmo.

Na verdade nós somos:

• Questionadores por natureza
• Muito bem formados e informados
• Ambiciosos
• Focados em resultados de curto prazo
• Motivados por desafios e reconhecimento

Portanto, você que é líder de um grupo desses, se prepare para reinventar-se, e se adapte a nova realidade, pois caso contrário, nós não teremos rancor nenhum de deixá-los falando sozinho.

Não pense também que somos traidores ou algo do tipo, se precisar vestir a camisa e ficar muitas horas fazendo um job ou trabalhar aos sábados algumas vezes, nós faremos com certeza e de boa vontade. Para isso precisaremos estar motivados.

Tenho certeza que as pessoas da Geração Y irão se identificado com o artigo e que as pessoas que sejam de gerações passadas aprendam a conviver e respeitar esta nova força que chega forte nas empresas.

Sites consultados:




4 comentários:

Luiz disse...

Falou tudo Reinaldo.. esta é a Geração Y!!..
O que você acha que as empresas devem fazer para manter estes jovens talentos por mais tempo em sua folha de pagamento??
Abs!

Reinaldo Cirilo disse...

Luiz,

Eu sou da Geração Y, tenho certeza, pois quando comecei a estudar sobre os hábitos desta nova força me identifiquei de primeira.

Acredito que para conseguir reter um destes talentos, mais que tapinha nas costas, temos que ser motivados, receber prêmios, receber mais responsabilidade, termos oportunidade de liderar uma equipe, a empresa ter uma postura ética, o RH ser ativo e vir conversar contigo sobre as suas necessidades, o chefe ser acesível e experiente - um líder e por ai vai...

Olhando acima parece que é o básico, mas as pessoas que fazem uma empresa, estão acabando com o clima de uma empresa. Na minha empresa, perdi muitos amigos talentosos, pois perderam a motivação com 6 meses de trabalho, pois sacaram qual era da empresa...muitos sairam pra ganhar R$ 300,00 outros até menos...dinheiro não conta mais tanto não..pode ter certeza.

Um abraço.

Luiz disse...

Obrigado Reinaldo. Tem razão quando diz parecer óbvio, mas é isso mesmo...quase nenhuma empresa toma estas medidas para reter os talentos. Porém isso terá que mudar, pois a Geração Y está ai, para em alguns anos, dominar o mercado de trabalho.
Abs!!

Reinaldo Cirilo disse...

Outra coisa Luiz...

O investimento que a empresa faz para treinar um funcionário, atender as necessidades dele quando esta chegando, todos os gastos...é´péssimo pensar que vai perder este cara amanhã ou depois...sem ao menos ter alguém de suporte e recomeçar tudo de novo...faz seleção, contrata, paga, treina...e por ai vai...(por isso muitas estão na lama)...